Crônicas

Que vá bem com Cocada

Passado algum tempo do triste falecimento da querida Jujubinha, nossa família decidiu adotar outra cadelinha, para fazer companhia à adorável e doce Cocada. A partir de então, nossas atenções passaram a se voltar a oportunidades de adoção de cachorros. E aconteceu que, em um dia qualquer, em uma volta pelo meu bairro, avistei uma feira… Continuar lendo Que vá bem com Cocada

Publicidade

Crônicas

Bate-papo sem fio (e sem noção)

É engraçado como há certos amigos que nem lembramos como entraram em nossas vidas. São aquelas amizades que brotam de laços que transcendem gerações: encorajada pela afinidade existente entre mães, pais, avós ou tios, surge uma aproximação, que por vezes atravessa longos anos. Curioso é que esses amigos que nos vêm sem muito esforço ou… Continuar lendo Bate-papo sem fio (e sem noção)

Crônicas

Quando se é criança pequena

No nosso querido quarto no antigo apartamento da família — do qual tanto falo aqui no blog, devido às doces lembranças que evoca — tinha tralha pra tudo quanto é gosto. Das famigeradas panelinhas de brinquedo aos jogos de tabuleiro, passando pelas tintas guache e mini instrumentos musicais, o cômodo abrigava toda sorte de objetos… Continuar lendo Quando se é criança pequena

Crônicas

Em águas duvidosas

Eu e minha irmã éramos imbatíveis. Uma dupla literalmente dinâmica, que nunca parava quieta: estávamos sempre à caça de maneiras de nos entreter em um apartamento que, apesar das suas pequenas dimensões, abrigava nosso mundo imaginário. Rafinha e Lalá costumavam seguir religiosamente o protocolo que regia a residência — às vezes, porém, parecia impossível resistir às… Continuar lendo Em águas duvidosas

Crônicas

A quem me escreve

Olá e muito prazer, sou destinatária da Marina Colasanti. É que ela escreve pra mim. Suas mensagens sempre aparecem no momento oportuno, acompanhadas da sensação de que eu mesma poderia tê-las escrito, tamanha a identificação que inspiram. Um pé diante do outro chegou no susto e umedeceu meus olhos mais do que eu gostaria em… Continuar lendo A quem me escreve

Crônicas

Uma invencionice infantil

Muitas das minhas mais deliciosas recordações da infância trazem um fator comum: brinquedos. São histórias e mais histórias de invencionices, conflitos e broncas que se desenrolaram tendo como protagonistas esses simples objetos aos quais uma mente infantil é capaz de atribuir tantos significados. Nos recreios do colégio, as donas das bonecas mais cotadas (como a… Continuar lendo Uma invencionice infantil

Crônicas

Quando Drizela entrou em cena

Era um dia como outro qualquer para um adulto, já que para a pequena versão de mim, era mais uma oportunidade de arquitetar uma aventura. Junto com o sol nasciam novas possibilidades de entretenimento para a marota Rafinha, cuja única obrigação, à época, era arranjar formas interessantes de ocupar o passar das horas. O apartamento… Continuar lendo Quando Drizela entrou em cena